Política

Rodrigo Maia antecipa auxílio-mudança de deputados; valor chega a R$ 17 milhões

Publicada em 05/01/19 às 11:38h - 57 visualizações

por congresso em foco


Compartilhe
   

Link da Notícia:

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, antecipou em mais de um mês o pagamento do auxílio-mudança de deputados, que corresponde a um salário parlamentar - R$ 33,7 mil reais. O impacto nas contas da casa é de R$ 17 milhões.

O benefício tradicionalmente é pago no último dia da legislatura, em 31 de janeiro, mas neste ano foi depositado em 28 de dezembro. Dos 513 deputados, 505 receberam o valor, e quatro deles abriram mão: Mara Gabrilli (PSDB-SP) e Major Olímpio (PSL-SP), eleitos senadores, Bohn Gass (PT-RS) e Heitor Schuch (PSB-RS).

A Câmara dos Deputados afirmou, por meio de nota, que os valores foram antecipados pois havia disponibilidade financeira -a Casa teria economizado ao longo de 2018. A Casa disse ainda que em 2019 haverá mais pressão orçamentária, como pagamento de direitos trabalhistas de secretários exonerados, o aumento salarial de servidores que ganham teto constitucional -acarretado pelo reajuste de ministros do STF e da ajuda de custo de novos parlamentares.

"Diante desse cenário, a antecipação do pagamento da ajuda de custo devida aos deputados ao fim do mandato visou à boa gestão orçamentária e financeira, de modo a garantir uma margem de segurança para o cumprimento da emenda constitucional do teto de gastos", finaliza.

O auxílio-mudança foi criado em 2014 e é pago ao início e término de cada legislatura, como forma de custear gastos com mudanças de cidades dos parlamentares.

Além do auxílio antecipado, a Câmara também desembolsou R$ 72 mil de auxílio a suplentes que assumem o cargo entre janeiro e fevereiro, quando não há atividades parlamentares. Os suplentes recebem ainda o valor da cota parlamentar, que varia de R$ 30,7 mil a R$ 45,6 mil dependendo do estado de origem.

Rodrigo Maia está em campanha para reeleição à presidência da Câmara. Entre os apoiadores, Maia já conta com o PSL -segunda maior bancada da Casa, que deve render ao menos 52 votos-, PRB, PSC e PPS. O PT também planejava apoiar a candidatura do atual presidente, mas recuou após o anúncio de aliança com o PSL.





ATENÇÃO:Os comentários postados abaixo representam a opinião do leitor e não necessariamente do nosso site. Toda responsabilidade das mensagens é do autor da postagem.

1 comentários


Mikem mkem

06/01/2019 - 10:50:24

Vergonha os cara nao se elegeram,estao de saida e alem disso antes de ir recebe uma bolada que merda meu.


Deixe seu comentário!

Nome
Email
Comentário






Nosso Whatsapp

 (83)9 9690-1026

Visitas: 3467633
Usuários Online: 91
Copyright (c) 2019 - Site Riacho noticias