O ex-presidente Michel Temer se entregou na sede da Polícia Federal na tarde desta quinta-feira (9). Na quarta-feira (8), o TRF2 (Tribunal Regional Federal da 2ª Região) alterou a decisão que o mantinha em liberdade e o político voltará para a cadeia.
Ainda não há detalhes de onde Temer deverá ficar. Quando teve a prisão decretada pela primeira vez, o ex-presidente permaneceu na sede da Polícia Federal no Rio de Janeiro.
A decisão caberá à juíza federal substituta Caroline Figueiredo, da 7ª Vara Federal Criminal, que cobre as férias do juiz Marcelo Bretas.
Temer e o amigo dele, o coronel da reserva João Baptista Lima Filho, que também voltará à prisão, estavam soltos após passarem quatro dias detidos, em março.
O ex-ministro Wellington Moreira Franco também foi para a cadeia na ocasião, mas mantido em liberdade no julgamento de quarta.
Como a decisão era provisória e foi tomada por apenas um desembargador, Ivan Athié, caberia aos demais integrantes da turma votarem o habeas corpus. O resultado foi de 2 votos a favor de prisão e 1 contra.
O advogado do ex-presidente, Eduardo Carnelós, afirmou que considera a decisão “uma injustiça, que não há fundamento [jurídico]”. “É uma história triste do Judiciário brasileiro”, completou.
R7