www.riachonoticias.com - A notícia em primeira mão!
Publicado em:

Quem poderá nos defender? – Sindipetro alerta para risco da gasolina chegar a R$ 5 na PB

As sucessivas altas no preço dos combustíveis acenderam sinal de alerta entre empresários do comércio varejista. “Estão com a mão na cabeça e não sabem mais o que fazer”, disse o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo na Paraíba (Sindipetro-PB), nesta quinta-feira (17).
O Sindipetro-PB lembrou que a alta nos preços ocorre pelo aumento do dólar e a excessiva carga tributária, responsável por quase 50% do preço de cada litro desses combustíveis. “Diante dessa situação, o Sindipetro-PB) conclama a sociedade para que cobre a imediata redução dos impostos sobre os combustíveis sob pena da gasolina, por exemplo, chegar a R$ 5 ao consumidor paraibano”.

De acordo com o sindicato, as distribuidoras estão vendendo aos postos a gasolina e o diesel a quase R$ 4 e R$ 3,60, respectivamente. Um empresário do setor, que adquiria 5 mil litros de gasolina por R$ 14 mil meses atrás, hoje, infelizmente, está pagando R$ 21 mil pela mesma quantidade. “É uma situação preocupante”, disse Omar Hamad Filho, presidente do Sindipetro-PB. Segundo ele, a Paraíba cobra 29% de ICMS sobre a gasolina. “E ainda assim é o posto que é o vilão da história?”, questionou, ao defender que o problema não está nas bombas.
O presidente do sindicato disse que o setor é o único segmento econômico que tem obrigação de informar o preço de compra e o preço de venda dos produtos, com uma tolerância de 0,5 % nos equipamentos volumétricos, nas misturas do anidro ou no biodiesel e nas impurezas. “Empregamos, geramos renda, somos uma ilha de serviços para a sociedade (iluminação pública, segurança, lanchonetes, cafeterias, banco 24h, entre outros)”.
Política de preços
A política de preços adotada a partir de julho do ano passado pela Petrobras para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras se baseia no preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais desses produtos mais os custos que os importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo, esclareceu a empresa.
Segundo ela, “a paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos”. O preço considera ainda uma margem que cobre eventuais riscos, como volatilidade do câmbio e dos preços.
O que diz o governo
Em fevereiro deste ano, o presidente Michel Temer disse que considera uma “agressão ao consumidor” o fato de que as reduções de preços da gasolina anunciadas pela Petrobras nas refinarias não são repassadas às bombas. Segundo ele, o governo não vai permitir esse comportamento e foi determinado que a Polícia Federal (PF) e o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) fiscalizem os postos. Até agora, nada de concreto ocorreu e os preços não param de subir.
Em 4 de maio deste ano, durante entrevista a uma TV pública, Temer defendeu a variação no preço dos combustíveis. “Lamentavelmente por enquanto, nós temos que continuar [a manter a política de flutuação de preços] porque a segurança jurídica em relação à Petrobras também é um fato relevante. É possível que, é provável, que o preço internacional caia. Caindo o preço internacional, cai os preços dos produtos da Petrobras”.
Portal Correio

Por: Site Riacho noticias
Compartilhe :

veja também

Publicidades: how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

Últimas Notícias

Comentário

www.riachonoticias.net - Todos os direitos reservados.