www.riachonoticias.com - A notícia em primeira mão!
Publicado em:

Negociações tentam destravar cargas de gás de cozinha para a PB

negociacoes-tentam-destravar-cargas-de-gas-de-cozinha-para-a-pbNão há gás de cozinha na Paraíba e não há previsão de quando o fornecimento do produto seja normalizado. A informação é do Sindicato de Revendedores de Gás na Paraíba (Sinregás-PB), à 98 FM, Rede Correio Sat, nesta terça-feira (29).
O presidente do sindicato, Marcos Antônio Bezerra, disse que as cargas com botijões estão retidas no Porto de Suape, em Pernambuco, ou na rodovia entre o estado vizinho e a Paraíba, onde a greve de caminhoneiros continua e impede a circulação do produto. O Governo do Estado informou que está negociando para destravar as cargas.
O sindicalista disse à repórter Sandra Macêdo, da Rede Correio Sat, que a Paraíba precisaria de pelo menos cinco dias para normalizar a distribuição de 18 mil botijões em todo o estado. No momento que o gás chegar, precisará ser distribuído sob cotas para atender primeiro hospitais e presídios e só depois seguirá para comercialização.
Sobre preços, Marcos Antônio explicou que eles devem permanecer entre R$ 65 e R$ 70. No caso de revenda clandestina, com preços abusivos, a orientação é não comprar e denunciar à polícia ou ao Procon.
Atendimento do Procon-JP:
  • Sede: Segunda a sexta-feira das 8h às 12h, na avenida Pedro I, nº 473 – Tambiá
  • Telefones: 0800 083 2015; 3214-3040; 3214-3042; 3214-3046
  • Procon-JP no MP: segunda a sexta-feira das 8h às 17h, no Parque da Lagoa, nº 300, Centro
A fiscalização do Procon-JP constatou que o desabastecimento do gás de cozinha nos pontos de revenda em João Pessoa é real. “Nossa equipe está em campo apurando as denúncias que nos chegam e até o momento, o que percebemos, realmente, é o desabastecimento. Quase todos os postos estão sem o produto. Também não encontramos botijões escondidos. Nossos fiscais estão entrando em todas as dependências dos estabelecimentos para averiguar se há algum produto estocado, como recebemos denúncias”, disse o secretário do Procon de João Pessoa, Helton Renê.
Ele acrescenta que o desabastecimento é devido aos problemas na liberação do produto no Porto de Suape, em Pernambuco. “Pedimos muita calma nesse momento. Sabemos que é angustiante, mas, enquanto o abastecimento do produto não normalizar, as pessoas devem manter a calma. Vamos continuar inspecionando esses pontos de revenda, mas vamos evitar boatos que desestabilizam a população já tão fragilizada e atrapalham nosso trabalho de fiscalização”.
Negociações
A Polícia Rodoviária Federal (PRF) informou que não pode divulgar detalhes das operações de escolta por questões de segurança e não disse como está a situação das cargas de gás de cozinha para a Paraíba. O Exército deve divulgar uma nota, na tarde desta terça-feira (29), com um resumo do que tem sido feito pelas Forças Armadas para garantir o fornecimento de produtos essenciais.
A Paraíba enfrenta colapso no gás de cozinha desde sexta-feira (25). Segundo o sindicato nacional, o problema está ocorrendo em todo o Brasil e algumas revendedoras que conseguiram repor o estoque antes do calapso ou tinham reservas garantidas, ainda conseguem comercializar alguns produtos em poucas cidades.
Com a crise, revendedores clandestinos se aproveitaram da situação e passaram a comercializar o produto com valores entre R$ 100 e R$ 200. O Procon de João Pessoa criou um número de WhatsApp para que consumidores denunciem esses clandestinos e os preços abusivos.
*Com informações de Sandra Macêdo, da Rede Correio Sat

Por: Site Riacho noticias
Compartilhe :

veja também

Publicidades: how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

Últimas Notícias

Comentário

www.riachonoticias.net - Todos os direitos reservados.