www.riachonoticias.com - A notícia em primeira mão!
Publicado em:

Câmpus IV da UEPB de Catolé do Rocha começa a implantar Jardim clonal para cultura de caju

Em uma iniciativa inédita na Paraíba, o Centro de Ciências Humanas e Agrárias (CCHA) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), Câmpus IV, em Catolé do Rocha, iniciou efetivamente a implantação do jardim clonal para cultura do caju. O projeto, que promete ajudar a Paraíba a se transformar em um dos maiores produtores de caju da região, está sendo implantado graças a uma parceria entre a UEPB e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Essa semana, o chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa, Marlos Alves Bezerra, e o pesquisador da empresa, Antônio Teixeira Cavalcante Júnior, fizeram nova visita ao Câmpus IV e acertaram os detalhes de implantação do projeto. Nessa quarta-feira (7), os técnicos plantaram os primeiros seis genótipos da cultura. No total, 66 mudas de caju foram plantadas. Todo o trabalho foi acompanhado por professores e estudantes do Câmpus sertanejo.

Nesse primeiro momento, o jardim clonal é composto por mudas de Cajueiro Anão Enxertado das variedades CCP 76, CCP 09, Embrapa 51, BRS 189, BRS 226 e BRS 275. Eles serão cultivados a partir da retirada de novos clones da planta. A perspectiva é de que em um prazo de um ano e meio a dois anos, o CCHA já tenha condições de produzir o caju orgânico em larga escala e distribuir as mudas para os produtores da região. As mudas foram cultivadas pela Embrapa Agroindústria Tropical, sediada em Fortaleza, e plantadas nas áreas destinadas, na Escola Agrotécnica do Cajueiro.

O diretor do Centro de Ciências Humanas e Agrárias e um dos articulares da iniciativa, professor Edivan Silva Nunes Júnior, comemorou o início da execução do projeto. Ele afirmou que no Estado da Paraíba nenhuma instituição pública ou empresa privada tem esse material genético reunidos em um só pomar. A UEPB, segundo ele, será pioneira nesse tipo de parceria e iniciativa que, futuramente, poderá impulsionar a economia do Sertão paraibano.

A pretensão dos professores da UEPB e dos técnicos da Embrapa é criar as condições favoráveis para fazer o cruzamento das clonagens de tipos como o caju anão vermelho CCP 76 e o clone de outras espécies, melhorando a qualidade das variedades. Além do jardim clonal, o CCHA implantará posteriormente o banco de germoplasma para fazer o cruzamento de diversas variedades da fruta. A parceria entre a UEPB e a Embrapa começou a ser firmada em dezembro de 2016, quando o professor Edivan; a diretora adjunta da Escola, Maria do Socorro Caldas Pinto; e a professora Eliane Rech, responsável pelo setor de fruticultura do Câmpus, se reuniram com diretores da empresa em Fortaleza.

Em março do ano passado, como forma de agilizar a parceria, os diretores da Embrapa conheceram a Escola Agrotécnica do Cajueiro e definiram as três áreas onde seria implantado o jardim clonal. Professor Edivan reforçou que o jardim clonal vai fortalecer a cultura do caju em Catolé do Rocha e ajudar a enriquecer os conhecimentos dos estudantes do curso de Ciências Agrárias. A pretensão da UEPB é criar um viveiro para a produção e distribuição da cultura do caju, para fazer com que a Paraíba se torne referência da fruta na região.

O jardim clonal de caju também deve ser implantado na Escola Agrícola Assis Chateaubriand, que funciona no Centro de Ciências Agrárias Ambientais (CCAA), do Câmpus de Lagoa Seca. Para isso, o professor Edivan vem mantendo contato com o diretor da EAAC, professor José Félix, que se interessou pelo projeto.




ASCOM - UEPB

Por: Site Riacho noticias
Compartilhe :

veja também

Publicidades: how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

how to make gifs

Últimas Notícias

Comentário

www.riachonoticias.net - Todos os direitos reservados.